Seg, 23 de Abril de 2018

Digressões de um ímpio - Por que o ser humano sofre? - 04/01/2018 | 18:23

Compartilhar as mazelas da vida faz com que o sofrimento seja menos doloroso e mais suportável, fale com quem lhe dá valor, não mantenha as angústias dentro de você ocupando espaço onde poderia ser ocupado por alegrias e prazeres. Torne sua existência menos sofrida.

 

Por que o ser humano sofre? Sabemos que há inúmeros motivos e causas. O sofrimento que vamos nos ater aqui é o mental, dor mental, que às vezes pode ser mais sofrida que a dor física, uma vez que para esta basta um forte analgésico que rapidamente o infortúnio passa. Já a dor psíquica, que podemos chamar também de uma certa angústia, gerando uma miríade de outros desconfortos, tais como dificuldade para respirar, náuseas, enrijecimento muscular, acarretando dor física, associada também a cefaléia de moderada a intensa. Logo podemos observar que um certo aborrecimento, decepção, frustração, medo, ansiedade podem gerar repercussões clínicas importante. Se o encéfalo está carregado por uma avalanche de impulsos nervosos, neurotransmissores que causam estresse, como adrenalina e dopamina, que são secretadas no estado de medo e ansiedade, resultando em sintomas físicos, como; midríase(dilatação da pupila), taquicardia(freqüência cardíaca acima de 100bpm), tremores, estado exagerado de alerta, assustando-se com facilidade, preparando-se para luta ou fuga, tensão muscular, sudorese, diminuição da salivação, e um acelerado funcionamento do organismo como um todo. Tudo isso causa posteriormente uma exaustão e dores física intensa, ou seja, um quadro de medo e ansiedade pode gerar sim efeitos físicos como os já citados. Por isso patologias psíquicas são tão complexas e de difícil tratamento, uma vez que não depende unicamente da vontade do indivíduo em melhorar, mudar hábitos e etc, e ainda há os incautos insensíveis que dizem “ser frescura”, que apenas basta força de vontade e vergonha na cara. Dizeres de extrema estupidez e falta de informação, porque os distúrbios psíquicos são causados por fatores do ambiente, e fatores internos, um desequilíbrio neuroquímico encefálico, que pode ter vários fatores desencadeantes, desde estímulos externos negativos frequentes, fator genético, ou seja, o sujeito produz neurotransmissores responsáveis pelo ânimo e bem estar de forma insuficiente, tais como a serotonina. Podemos concluir aqui que as desordens psíquicas são principalmente um desequilíbrio neuroquímico. Sendo, portanto necessário além da psicoterapia também tratamento medicamentoso para organizar essa desordem neurológica, uma abordagem multidisciplinar conjunta, uma vez que só a psicoterapia não irá resolver, bem como só o tratamento medicamentoso também não irá resolver. Tudo isso mostra como nosso encéfalo é intricado, ao mesmo tempo que há necessidade de reposição química, verbalizar sobre o que se sente tem significativo efeito benéfico para o tratamento e alívio do acometido.

Infelizmente há todo um estereótipo as voltas dos transtornos psíquicos; “É preguiça!”, “Pessoa fraca.”, “Não tem força de vontade.”, “Não tem fé em deus dá nisso!”, “Não faz por onde!”, “Isso é coisa da cabeça, não é doença!”, mais um vasto julgamento popular coberto por ignorância e falta de informação. Daí acontecem os auto-extermínios, o indivíduo absorve todo esse julgamento e os toma como culpa própria. No fim das contas quem quer viver no sofrimento?? Vendo a vida passar sem vivê-la? Sentindo um incômodo ininterrupto inexplicável? Sentindo uma dor mental visceral? Óbvio que ninguém deseja uma vida assim!

Segundo a OMS a depressão será o mal do século em 2020, cabe refletirmos por qual motivo, os gatilhos, desativá-los e orientar constantemente a sociedade o que de fato é esse mal, como ele funciona, inicia, e se estabelece.

Promover ações na prevenção ao suicídio, acabando com o estigma popular em afirmar que falar sobre o tema encoraja o doente a efetivar os pensamentos, o que é falso, falar sobre o suicídio com a pessoa lhe proporciona alívio, fazendo com que se sinta compreendida e acolhida, e que há pessoas preparadas para ajudá-la a lidar com tais pensamentos. Na Suíça onde existe uma instituição legalizada (Dignitas) que promove a eutanásia (suicídio assistido) a pessoas que querem morrer a fim de evitar o sofrimento, seja por qual patologia for. Há um dado interessante, certa parte dos que fazem o cadastro solicitando a eutanásia, acabam desistindo pelo fato de durante todo processo de avaliação para deferir o pedido, a pessoa recebe tamanha atenção multidisciplinar que acaba sentindo-se acolhida, melhorando seu quadro.

Há ainda a possibilidade dos sofredores de depressão procurarem alívio no uso de drogas ilícitas, o que conseguem, no entanto por curto período de tempo, e tendo uma contrapartida de efeitos desagradáveis no pós uso muito mais duradouros, mais repercussões clinicas sérias, piorando ainda mais assim o quadro do paciente, havendo uma exacerbação da doença de base.

Apoio familiar e de amigos são imprescindíveis, mas com todo cuidado ao tratar com a pessoa, sem julgamentos, sem conselhos desnecessários, sem comentários inadequados, ouvir-la é mais importante que falar mais do que ela, olhar sempre nos olhos e mostrar interesse no que a pessoa está falando. Repito: Não a julgue!!!


VOLTAR